NOTÍCIAS

Pesquisa no Centro de Documentação do TJRO ganha prêmio nacional de memória
24 DE MAIO DE 2022


A pesquisa da historiadora Ana Carolina Monteiro Paiva sobre o trabalho e cotidiano na estrada de ferro Madeira-Mamoré foi premiada na categoria trabalho acadêmico no Prêmio CNJ de Memória do Poder Judiciário. O estudo foi realizado no Centro Cultural e de Documentação Histórica do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO). “Vejo o prêmio como um incentivo, para que mais pesquisadores visitem e explorem instituições como o Centro de Documentação do TJ, pois há um potencial de histórias a serem escritas, que contribuirão para a história de Rondônia e para a história do Brasil.”

Nascida em Porto Velho, Ana Carolina foi morar na Paraíba aos 14 anos. Filha de professora de português, concluiu mestrado em História pela Universidade Federal da Paraíba. Segundo ela, a ideia surgiu quando ainda escrevia o trabalho de conclusão de curso chamado “Os imersos na penumbra da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré”.

A pesquisadora estudou alguns aspectos do cotidiano dos trabalhadores da companhia da Madeira-Mamoré, a partir da estruturação de um sistema de controle e manutenção da força de trabalho, durante o período de construção e primeiros anos de funcionamento da ferrovia, de 1907 até 1919. Ela investigou os espaços de trabalho e moradia; atividades sociais como festas, desfiles e datas comemorativas; as mobilizações como a primeira greve de Porto Velho; conflitos; resistências à norma de comportamentos sociais; condutas desviantes; condições sanitárias e doenças, além da saúde física e mental dos trabalhadores.

Foram utilizadas diversas fontes históricas, como literaturas de viagens, poemas escritos pelos trabalhadores, documentos oficiais da empresa rodoviária, produções acadêmicas, relatos memorialísticos, jornais, relatórios médicos, mapas, telegramas e documentos judiciais como processos cíveis e criminais. “Voltei a Porto Velho duas vezes para fazer uma pesquisa presencial com essas fontes, visitei o Museu da Memória rondoniense e o Centro Cultural de Documentação Histórica, mas grande parte da pesquisa foi feita digitalmente, à distância”, conta Ana Carolina.

Ela afirma que o trabalho teve apoio da então coordenadora do Centro do TJRO, Nilza Menezes, e da estagiária Pricila de Melo Almeida, tanto na pesquisa presencial quanto na pesquisa à distância. “Essas ações conferem visibilidade e incentivam para que o pesquisador possa retornar e recomendar o espaço.”

A historiadora se inscreveu no prêmio graças à indicação de Nilza Menezes, que viu o potencial da pesquisa como contribuição à memória do Judiciário. “Ela realmente acreditou e confiou em mim. Toda a equipe do Centro faz parte desse projeto. O acervo que consultei em Porto Velho é uma das principais fontes da história do estado de Rondônia. Por isso, deveria existir um diálogo maior com as universidades.”

Para Nilza Menezes, o prêmio demonstra a qualidade da documentação que pertence ao Judiciário, o que proporciona diversas leituras em diferentes focos. “Ela [Ana Carolina] fez uma pesquisa muito linda, apesar da pandemia e de todas as dificuldades. Fiquei muito impressionada com a qualidade do trabalho acadêmico dela, e quando surgiu o concurso eu recomendei para que participasse, pois era um trabalho muito bom e demonstra a riqueza dos documentos do Centro de Cultura e de Documentação Histórica do Judiciário.”

Fonte: TJRO

Macrodesafio - Fortalecimento da relação interinstitucional do Judiciário com a sociedade

The post Pesquisa no Centro de Documentação do TJRO ganha prêmio nacional de memória appeared first on Portal CNJ.

Outras Notícias

Anoreg RS

Prazo para envio de propostas de enunciados para a “I Jornada de Direito Notarial e Registral” termina na próxima segunda (27)
24 de junho de 2022

Termina na próxima segunda-feira (27/06) o prazo para envio de propostas de enunciados para a “I Jornada de...


Portal CNJ

Mudança de nome e gênero nos documentos traz esperança a pessoas trans
24 de junho de 2022

Identificado com o gênero feminino no nascimento, Danilo Alves buscou no início da vida adulta a transformação...


Portal CNJ

CNJ Serviço: Pessoa trans pode alterar nome e gênero em cartório
24 de junho de 2022

A mudança de nome e gênero nos documentos é possível hoje em dia sem a necessidade de ação judicial. Qualquer...


Portal CNJ

Turma de 2022 sobre Marco da Primeira Infância recebe inscrições até outubro
24 de junho de 2022

O curso on-line Marco Legal da Primeira Infância, oferecido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ficará com...


Anoreg RS

Papel dos Registradores Imobiliários na regularização fundiária será tema de palestra no 89º ENCOGE
24 de junho de 2022

O Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso do Sul (TJMS) sediará o 89º Encontro do Colégio de...


Anoreg RS

SIGEF e SNCR auxiliarão Polícia Federal contra crime de grilagem de terras
24 de junho de 2022

O Acordo de Cooperação Técnica tem vigência de 60 meses, podendo ser prorrogado.


Anoreg RS

CNJ altera portarias que dispõem sobre o Regulamento Geral da Corregedoria Nacional de Justiça
24 de junho de 2022

A função de Corregedor Nacional de Justiça será exercida pelo Ministro do Superior Tribunal de Justiça, por...


Anoreg RS

Casa Verde e Amarela: anunciada regra para escolha de beneficiário
24 de junho de 2022

Dispõe sobre os procedimentos para a definição das famílias beneficiárias de empreendimentos habitacionais no...


Anoreg RS

Assinatura digital x eletrônica: entenda qual é a diferença
24 de junho de 2022

Ambas as tecnologias são utilizadas constantemente no meio empresarial, tendo como principal objetivo validar a...


Anoreg RS

Artigo – A fiança, a boa-fé e a outorga conjugal
24 de junho de 2022

Fiança se constitui em obrigação secundária do fiador pela satisfação do crédito do credor de obrigação...