NOTÍCIAS

Conjur – TJ-SP determina produção de provas em caso de maternidade socioafetiva
03 DE MAIO DE 2021


No desenvolvimento dos relacionamentos familiares e da doutrina, observando a prioridade da proteção da criança, deve ser analisada com provas contundentes a questão da filiação socioafetiva. Esse entendimento é da 2ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo ao anular sentença que havia negado um acordo de reconhecimento de maternidade socioafetiva.

Trata-se de uma amiga da mãe biológica, que mora junto com a família desde o nascimento da criança e afirma ajudar na educação e criação. O juízo de origem não vislumbrou benefício à criança e concluiu não haver relacionamento afetivo. A família apelou ao TJ-SP.

Em votação unânime, a turma julgadora determinou a nulidade da sentença e o retorno dos autos para prosseguimento com produção de provas. O relator, desembargador Alvaro Passos, destacou as alterações de conceitos e formações familiares envolvendo o direito de família, citando que a entidade familiar em geral está protegida com relevância na Constituição Federal.

Segundo ele, a doutrina e jurisprudência têm aumentado o alcance da definição de família, que não se restringe mais ao texto literal do artigo 226 da Constituição, passando a contemplar também os vínculos afetivos. “Com efeito, o relacionamento socioafetivo, ainda que sem de ascendência genética, constitui relação de fato a ser reconhecida e amparada juridicamente”, disse.

Neste cenário, afirmou o magistrado, é preciso analisar cada caso concreto, sempre buscando o melhor interesse da criança. Na hipótese dos autos, a menor convive desde o nascimento com a mãe biológica e com a coautora que busca o reconhecimento da maternidade socioafetiva. Para o relator, é “indispensável” uma maior dilação probatória acerca do relacionamento existente na família.

“A codemandante, segundo consta na exordial, tem fortes laços de amizade, sem caráter amoroso, com a mãe biológica da criança, vive na mesma residência e auxilia na educação e cuidado da menor desde o seu nascimento, tendo se intensificado após o falecimento do genitor”, afirmou Passos.

Produção de provas
Em maior produção de provas, segundo o magistrado, deve ser verificada, por exemplo, a saúde dos relacionamentos e quais os benefícios ou prejuízos à criança. Segundo ele, o principal a ser ponderado é se as necessidades da criança serão atendidas com a inclusão da coautora como mãe socioafetiva, além dos pais biológicos.

“Tanto não se exige consanguinidade e nem relacionamento amoroso entre aqueles que serão tidos como responsáveis pela criança que, como bem salientado no parecer ministerial, até mesmo nas regras de adoção que se encontram no teor do ECA pode ser vista a permissão de adoção por pessoas que não mais possuem qualquer relacionamento e sequer residem sob o mesmo teto (artigo 42, ECA)”, acrescentou.

Portanto, o desembargador disse que, como é possível o reconhecimento de diversos conceitos de família e devem ser seguidos os princípios da dignidade da pessoa humana e da prioridade dos interesses da criança, “mostra-se indispensável ao caso uma maior dilação probatória para examinar as circunstâncias das partes e os interesses da menor”.

Clique aqui para ler a decisão
Processo 1013943-51.2020.8.26.0007

Fonte: Conjur

Outras Notícias

Anoreg RS

CGJ-RS emite Despacho com determinações de medidas aos serviços notariais e de registro sobre o Sistema Selo
11 de maio de 2021

Clique aqui e leia na íntegra.


Anoreg RS

Portal do RI – CNB/CF abre candidaturas para universidade do notariado mundial da UINL
11 de maio de 2021

Formação anual do notariado mundial destinada a jovens notários está com inscrições abertas para a edição...


Anoreg RS

Câmara dos Deputados – Comissão aprova projeto para baixa gratuita de microempresas inativas
11 de maio de 2021

Pelo texto, a empresa tem que estar sem qualquer atividade há mais de três anos para ter o registro cancelado...


Anoreg RS

Governo RS – Governador entrega oficialmente escritura de terras do Estado à Granol, em Cachoeira do Sul
11 de maio de 2021

Propriedade foi subsidiada devido à concessão de incentivo via Programa Estadual de Desenvolvimento Industrial.


Anoreg RS

Estadão – Ano de 2020 teve salto no número de mortes, e não ‘evolução natural’ em relação a períodos anteriores
11 de maio de 2021

Corrente no WhatsApp utiliza dados desatualizados e argumentos enganosos para diminuir gravidade da covid-19.


Anoreg RS

CJF – Aberto o prazo para o envio de propostas de enunciados à “II Jornada Prevenção e Solução Extrajudicial de Litígios”
11 de maio de 2021

Propostas serão recebidas até 18 de junho. O evento está marcado para os dias 26 e 27 de agosto.


Anoreg RS

O Globo Online – Contra o preconceito: casais homoafetivos comemoram uma década de união estável no Brasil
10 de maio de 2021

Há dez anos, STF abriu portas para o reconhecimento de famílias homoafetivas.


Anoreg RS

Extra Online/ Yahoo Finanças – Dez anos após o STF reconhecer a união estável de casais gays, conheça histórias de casamentos homoafetivos
10 de maio de 2021

O direito foi garantido há dez anos, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, reconheceu a...


Anoreg RS

Receita Federal – Intimação de malha ITR pode ser respondida via processo digital
10 de maio de 2021

A Receita Federal implantou o serviço Entregar Documentos de Malha ITR no e-CAC.


Anoreg RS

CNJ – Cartórios de registro civil darão orientações jurídicas sobre casamento
10 de maio de 2021

Grupo de trabalho, criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na segunda-feira (3/5), vai estudar ações para...